auto_scaling

Auto-scaling: entenda como esse recurso funciona na prática

É bastante indesejável que um site fique indisponível quando muitas pessoas o acessam ao mesmo tempo. Esse tipo de situação pode acontecer quando a aplicação roda sobre uma configuração de servidor fixa, sem escalabilidade e flexibilidade.

A cloud computing surgiu para resolver o problema, por meio do dimensionamento automático, também conhecido por auto-scaling. Neste post, apresentaremos o funcionamento, os componentes e como essa solução pode ser aplicada.

Ficou interessado em como o auto-scaling pode ser útil no seu negócio? Então, continue a leitura!

O que é auto-scaling?

É uma forma de aumentar ou diminuir a capacidade de armazenamento e processamento dos servidores virtuais, sem a necessidade de intervenção humana. Muitas empresas podem lançar mão do dimensionamento automático para, por exemplo, expandir a disponibilidade das suas aplicações que rodam em nuvem.

Para compreender melhor a ideia por trás do auto-scaling, suponha que uma aplicação web comece a receber uma grande quantidade de requisições dos usuários. Em uma configuração de servidores tradicional, a tendência seria que o sistema ficasse lento ou, até mesmo, fora do ar.

Por meio de uma aplicação escalável, no entanto, a expansão na alocação dos recursos será feita automaticamente. O auto-scaling também pode ser utilizado em:

  • sistemas de instituições financeiras;
  • sistemas de gestão adotados em universidades;
  • plataformas de streaming;
  • redes sociais.

Como funciona o auto-scaling?

Antes de explicar o funcionamento, é importante saber que o dimensionamento automático é composto por alguns componentes, como grupos, configurações de execução e planos de escalabilidade. Confira-os, a seguir.

Grupos

As instâncias em uma nuvem são gerenciadas de forma lógica. Para isso, elas devem ser organizadas em grupos. Na prática, é possível estipular a quantidade de instâncias em um grupo, de acordo com a necessidade, como períodos sazonais, em que o número de requisições aos servidores pode aumentar consideravelmente.

Configurações de execução

Dentro de um grupo, existem configurações que servem para a especificação de informações, como:

  • tipo de instância;
  • security groups;
  • mapeamento dos dispositivos de blocos;
  • ID;
  • par de chaves.

Planos de escalabilidade

Como o dimensionamento automático precisa ser implementado na hora e no lugar certo, é preciso um guia. Os planos de escalabilidade têm essa função, de modo que sejam feitos em razão de fatores como a programação e a ocorrência de condições específicas.

O escalonamento pode ser feito de forma horizontal ou vertical, sendo que o primeiro é mais utilizado. Isso ocorre porque as configurações da máquina virtual permanecem as mesmas, apesar de a capacidade dos recursos ser duplicada.

O auto-scaling horizontal evita que as aplicações fiquem indisponíveis. Além disso, os recursos podem voltar ao tamanho original, caso as solicitações dos usuários sejam reduzidas. Já no caso do escalonamento vertical, é preciso que o sistema fique indisponível, o que ajuda a justificar o porquê desse tipo de dimensionamento ser pouco utilizado.

Como usar o auto-scaling?

Antes de implementar o escalonamento automático em uma empresa, é indispensável fazer um levantamento das reais necessidades do negócio. Em outras palavras, é preciso saber em que momentos os servidores são mais requisitados, para que seja feito um dimensionamento eficiente.

Por exemplo, se uma companhia tem picos de segunda a quarta, e no restante da semana a demanda é menor, é possível implantar o auto-scaling somente nos três primeiros dias, mantendo intacta a alocação de recursos na quinta e na sexta-feira.

Políticas de auto-scaling

Após fazer a instalação de uma ferramenta de dimensionamento automático, é possível estabelecer algumas políticas. Uma delas consiste em configurar o auto-scaling para o escalonamento automático nos casos em que a demanda de processamento for igual ou superior a 50%.

Dentro da ferramenta que foi instalada, existem comandos responsáveis pela criação dessas políticas.

Alerta de CloudWatch high e low CPU

Em conjunto com as políticas de escalonamento, é necessário configurar os gatilhos para que estes funcionem corretamente. Na prática, é feito o monitoramento da CPU, de modo que, caso a demanda atinja o percentual pré-determinado, os gatilhos sejam ativados.

Todo o procedimento pode ser feito por meio da ferramenta que foi instalada no sistema operacional do computador da empresa. Da mesma forma, é possível, por exemplo, criar uma política de auto-scaling para baixas demandas de processamento.

Assim, um alerta pode ser emitido nos casos em que esse valor for atingido. Nesse sentido, uma boa prática é, na hora de configurar o gatilho, especificar um nome e uma descrição para ele. Também é possível estipular um tempo de duração do alerta.

Teste do auto-scaling

Após configurar as políticas de escalonamento e os gatilhos, é chegada a hora de colocar tudo em prática. Também é importante ressaltar a necessidade de definir a quantidade de instâncias em um grupo, sendo que é preciso pelo menos uma delas.

Suponha que foram inseridas três instâncias em um grupo. Logo, se aumentar ou diminuir a demanda por recursos dos servidores virtuais, é possível ampliar ou reduzir a quantidade automaticamente.

Imagine, ainda, que foi criado um alerta de low CPU para uma demanda maior ou igual a 30%. Caso esse ou o valor de high CPU (maior ou igual a 50%) for atingido, os gatilhos serão devidamente ativados, durante o intervalo de tempo que foi pré-determinado.

Em um sistema de portaria remota, o auto-scaling é um recurso indispensável. Com a possibilidade de escalonamento dinâmico e automático dos servidores virtuais, essa é uma solução bastante útil na otimização das operações, no intuito de oferecer estabilidade e disponibilidade ao atendimento, garantindo a qualidade do serviço prestado.

A TECNORISE conta com uma plataforma de sistemas voltados para portaria remota, que funciona integralmente na cloud, dando uma maior estabilidade e disponibilidade à aplicação. Consequentemente, a empresa não precisará de altos investimentos com infrastrutura de servidores físicos e equipe de TI. Conheça-nos e saiba de que forma podemos oferecer a você as melhorias ao seu negócio!

O auto-scaling consiste em uma solução baseada em cloud computing e é responsável pelo escalonamento dos servidores virtuais. Tudo é feito de forma automática, de modo que as aplicações web, sistemas e sites não deixem de estar disponíveis.

O que achou do conteúdo? Continue no nosso blog e, para mais informações sobre auto-scaling, entre em contato conosco!

Quer ficar cada vez mais antenado com o Riseblog?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.